História do Município

por fid publicado 02/02/2017 08h20, última modificação 02/02/2017 08h19

História do Município

 

Figueirópolis d'Oeste tem como marco de fundação a tomada de posse do território a partir dos Programas de Incentivo à Colonização no Estado do Mato Grosso subsidiados pelos governos estadual e federal nos anos 60. Os programas tinham por objetivo explorar, urbanizar e aumentar a densidade demográfica da região Oeste do Estado. Um destes programas o "Marcha para o Oeste" tinha o objetivo de povoar áreas estratégicas do Estado como, as fronteiras Brasil/Bolívia proporcionando proteção territorial.

O programa "Marcha para o Oeste" tinha o propósito de desenvolver o país através da ocupação das regiões Norte e Centro-Oeste do Brasil, para aproveitar melhor os recursos naturais inexplorados abrindo novas fronteiras produtivas, devido à situação política e econômica não favoráveis na época.

Outro evento que contribuiu para a imigração foi a construção da ponte Marechal Rondon sobre o Rio Paraguai na Cidade de Cáceres - MT, fazendo expandir o povoamento das terras do Sudeste e Oeste do Estado. Os imigrantes viam a produção agrícola como realização do sonho de emancipação econômica.

Foi neste época que o desbravador José Joaquim de Azevedo Figueiredo, natural da cidade de Marília no interior de São Paulo, adquiriu a Fazenda Figueira Branca. As atividades econômicas da fazenda fazem crescer a população do lugar com imigrantes vindos dos Estados de Minas Gerais, Goiás, Paraná e Regiões Nordestinas. Em 1971 o Sr. Figueiredo, assim chamado pelos locais, vê a necessidade de oferecer as necessidades mínimas de infraestrutura às famílias trabalhadoras de sua fazenda e toma a decisão de lotear suas terras vendendo lotes para os trabalhadores.

Segundo relatos dos antigos foi assim que mais tarde iria se originar o Município de Figueirópolis d'Oeste.

O primeiro documento oficial que cita a nomeação do lugar data de 1978 pela Lei nº 3.992 de 26 de junho de 1978 que transforma a região da Fazenda Figueira Branca em Figueirópolis, Distrito de Jauru. O documento também é citado na Lei nº 4.164, de 20 de dezembro de 1979, esta Lei cria o Município de Jauru, por desmembramento do Município de Cáceres. O documento oficial do Estado constitui o Município com mais três distritos: o Distrito da sede (atual Cidade de Jauru), o Distrito de Lucialva (ainda distrito) e o Distrito de Figueirópolis (atual município de Figueirópolis d'Oeste).

O Sr. Figueiredo movido por interesses relacionados ao poder político da região, agiu jurídico e administrativamente para que o território do Distrito de Figueirópolis fosse independente e sete anos mais tarde, em 13 de maio de 1986, o Distrito de Figueirópolis é elevado à categoria de Município desmembrando-se de Jauru com a denominação de Município de Figueirópolis d'Oeste, através da Lei estadual nº 5.015.

José Joaquim Azevedo Figueiredo, o homem que acolheu colonos ávidos por posse de terra para plantar, colher e morar, foi então eleito o primeiro Prefeito do Município de Figueirópolis d'Oeste.

à LEI Nº 5.015, DE 13 DE MAIO DE 1986 - D.O. 13.05.86

Cria o Município de Figueirópolis d'Oeste desmembrado dos Municípios de Jauru e Cáceres.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO,

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Art. 1º Fica criado o Município de Figueirópolis d'Oeste, desmembrado dos municípios de Jauru e Cáceres.

 

Quanto à composição do nome da Cidade

 

Em 1978, a enunciação que nomeou a região de Distrito de Figueirópolis manteve os sentidos da enunciação que nomeou a fazenda (Figueira Branca), ao mesmo tempo aquela nomeação ao ser formada pelo processo de combinação de um nome genérico mais uma palavra constituída pela formação hibrida aglutinativa, de figueira mais polis, no seu funcionamento enunciativo recorta como memorável o lugar da urbanidade, a cidade (polis), que remete com aquilo que é a mata, o rural (figueira). O nome Figueirópolis, é assim, aquilo que significa pelo rural caracterizado como urbano. Já o funcionamento enunciativo da nomeação, Distrito de Figueirópolis, na lei, enuncia sentidos que dão conta às significações já ditas como cidade da Fazenda Figueira, e a que normatiza a limitação territorial específica de uma área urbanizada pertencente ao município de Jauru.

A segunda nomeação, Município de Figueirópolis d'Oeste, nome formado também pelo processo de combinação de nomes, um nome genérico classificador, município, mais um nome próprio Figueirópolis formado por hibridismo, união de duas palavras, que possuem origem em raízes de línguas distintas, seguidos de um sintagma preposicionado d'Oeste, que funciona como um locativo por localizar geograficamente o município em relação ao território do Estado do Mato Grosso.

A análise partiu da historicidade do nome, a nomeação não é a simples referência a fatos da história, mas como nomes que foram enunciados no acontecimento de linguagem, primeiramente como Fazenda Figueira Branca, depois como Distrito de Figueirópolis e por fim, Figueirópolis d'Oeste, formando uma rede de sentidos para a cidade e para os seus moradores.